logotype
Apr
2018

Rescaldo

Com o sucesso da décima edição e com toda a estrutura montada e dimensão do evento, a organização sabia que seria difícil fazer mais e melhor… Mas o “mais e melhor” foi mesmo possível nesta décima primeira edição, sendo sem duvida a melhor e maior edição de toda a história do ENBA. Anualmente todos os caminhos vão dar à localidade de Burinhosa no final do mês de Julho... E este ano a organização preparou de novo uma grande festa e novidades para celebrar a décima primeira edição do Encontro Nacional de Bicicletas Antigas (ENBA). O grupo “MEN IN BIKE” em conjunto com a A.N.B.A. supera todas as edições, bate recorde e renova sucesso. É com estas pequenas palavras que se pode resumir o que aconteceu no passado dia 27 de Julho de 2014. Se com o primeiro encontro à dez anos atrás apenas se queria evidenciar a lacuna que existia neste tipo de matéria em Portugal, longe se pensava que um dia se iriam ter centenas de bicicletas antigas juntas. Isso mesmo. Nada mais, nada menos que cerca de 900 participantes e outras tantas bicicletas antigas que decidiram ENBArcar nesta edição do evento, vindas dos quatro cantos de Portugal Continental. A Quinta da Valinha, local que recebe o encontro, juntou cerca de 4000 pessoas entre participantes, colecionadores, visitantes, expositores e interessados em admirar o evento. Com inscrições fechadas há cerca de um mês, muitos foram os que pretenderam participar na mesma nesta grande festa das duas rodas. Durante grande parte da manhã os participantes foram chegando e recebidos pelas "Vintage Bicycle Girls", que fizeram a delicia de muitos participantes e onde as fotografias com as mesmas, eram uma constante. Marcas e modelos raros, foram uma constante este ano, assim como um acréscimo de exemplares restaurados. As bicicletas inglesas e francesas continuam a predominar no evento, logo seguidas pelas variadas marcas nacionais. Este ano a organização preparou duas exposições distintas, uma de "Bicicletas Antigas de Criança" e outra de "A Bicicleta Antiga como meio Profissional". Ambas muito completas, onde na primeira se podiam apreciar carros a pedais, triciclos, bicicletas de corrida, chopper´s... Na segunda bicicletas de carteiro, padeiro, amolador, estafeta, distribuidor, oficina de mecânico, florista, militares (Portugal, Inglaterra, Suíça), polícia e sapateiro… Por mais um ano, os participantes tiveram ao seu dispor um mural onde poderiam tirar uma fotografia para mais tarde recordar... Em paralelo ao evento, realizou-se a VI Bicimobilia, um espaço dedicado a quem se dedica ao comércio de bicicletas antigas e respectivo material que lhe é associado, que este ano teve a maior edição de sempre com cerca de 22 expositores. A Bicimobilia tem trazido ao evento bastantes visitantes, que aproveitam para comprar ou procurar a tal peça original que falta ao seu exemplar. Muitos exemplares e componentes interessantes vistos nesta edição da Bicimobilia. O Mercado Particular trouxe também alguns particulares a tentar vender a sua bicicleta. As habituais conversas entre participantes e coleccionadores, foi novamente um ponto forte neste encontro, pois todos ficaram com a ideia que este meio de transporte está a ter uma grande adesão e até procura por parte de todos. O que anteriormente era esquecido lá por casa, está agora a ser muito procurado. Muitos dos participantes, procuram neste evento “estrear” um novo exemplar, restaurado ou ainda por restaurar, o que para a organização é uma grande alegria “pois nota-se que este evento não é apenas mais um, mas sim aquele que é esperado ao longo do ano”, revela-nos Rui Rodrigues. A meio da manhã deu-se finalmente início ao passeio pelas ruas da aldeia rumo à ciclovia marítima, passando pelas praias de Água de Madeiros, Pedra d’Ouro, Polvoeira e Paredes da Vitória. Os participantes formavam uma caravana com vários quilómetros… Depois desta passagem pelas praias, rumou-se de novo às ruas da aldeia. No recinto do evento, esteve ainda exposta a bicicleta de Carlos Vieira, ciclista de Leiria, que em 1983 bateu o recorde do Guiness com o maior número de horas seguidas a pedalar, nada mais, nada menos, do que 191 horas. O recorde nuna mais foi batido até aos dias de hoje… A tarde foi de convívio, mais umas fotografias, apreciação das várias centenas de bicicletas “expostas” e ainda tempo de realização dos últimos negócios na VI Bicimobilia. "Como eu próprio deixei escrito no dia do evento, é o concretizar de um sonho, é o trabalho de dez anos a lutar ano após ano, para que um dia pudesse construir um evento diferente e único em Portugal, acho que cada vez mais isso é notório. São cerca de 6 meses de trabalho para cada edição, mas este ano, mais uma vez, nada foi deixado ao acaso e tudo correu como planeado. Prova disso, são as palavras dos participantes e visitantes, que ao longo do dia puderam desfrutar deste magnifico espaço e apreciar marcas e modelos de bicicletas nunca antes vistos pela maior parte. As novidades implementadas este ano, como foi o caso das Exposições Temáticas de Bicicletas Antigas, a Bicicleta Antiga de Carlos Vieira, o Passaporte do Participante (documento que o participante pode adquirir junto da organização e que ano após ano, poderá carimbar para mais tarde recordar), o Selo dos CTT alusivo à décima primeira edição do evento e o Guia do participante, tornaram o evento e principalmente esta edição, única e memorável para sempre", estas as palavras do organizador Rui Rodrigues. Este, aproveita ainda para agradecer a todos os patrocinadores que ao longo de todos estes anos foram acreditando neste projeto e no evento, e ainda um grande agradecimento aos "meus pais e amigos, que sem eles era também impossível construir e concretizar este evento, o meu muito obrigado mesmo...".